Publicada em 30/08/2018 às 16h01. Atualizada em 07/12/2018 às 12h44

A dor muscular é necessária para a obtenção de resultados?

Já teve essa dúvida? Confira o artigo do educador físico Jefferson Laerte.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

É muito comum, em um ambiente de treinamento com pesos, escutar a frase “no pain, no gain“ ou “sem dor, sem ganho”. Essa frase faz referência à dor muscular, que é sentida durante ou logo após o treino, mas, principalmente, também, à dor que é sentida horas ou dias após uma sessão de treinamento intenso. 

A primeira manifestação da dor supracitada (durante ou logo após o treinamento) é provocada pelo acúmulo de metabólicos na musculatura, muitos dos quais lactato (ácido lático), decorrente do trabalho muscular intenso. O lactato é um subproduto da segunda via metabólica de geração de energia (glicólise), que é a via principal durante os treinamentos para hipertrofia. O acúmulo dessa substância na musculatura leva a uma diminuição do pH intramuscular (acidez), com consequente intolerância à fadiga e sensação de queimação e dor.

Já a dor que é sentida horas ou dias após o treinamento, que tem início não antes de 8 horas após a sessão de treino, aumentando a intensidade nas primeiras 24 horas subsequentes, atingido o seu pico entre 24 e 72 horas, é conhecida como dor muscular tardia (DMT) ou dor muscular de início tardio DMIT). Para iniciantes, logo nas duas primeiras semanas de treinamento, a DMT não é interessante, pois, além de desestimular o indivíduo aos próximos treinos, deixa de ser saudável. Já em praticantes adaptados e frequentes na academia, o exercício passa a oferecer um efeito protetor sobre a DMT.  

Desse modo, podemos dizer que não é preciso sentir dores musculares (DTM) depois dos exercícios para que estes surtam efeito. Mesmo sem termos dor após os treinos, ou quando ela diminui, a hipertrofia continua acontecendo. Isso ocorre porque os próprios músculos criam mecanismos de recuperação para reparar as microlesões, ficando, portanto, mais fortes e com maior resistência ao esforço físico. Com o músculo mais preparado para realizar as atividades, a dor será menor e só voltará a aparecer ao ocorrer um aumento de carga, prática de exercícios novos ou uma maior intensidade dos treinos.

Dicas para de como praticar exercícios com segurança:

Respeite os seus limites. Não vá “com muita sede ao pote” no início das atividades;

Procure um educador físico para orientação;

Respeite os períodos de descanso e recupere bem o seu organismo;

Alimente-se bem, pois, assim, terá energia suficiente para a execução de exercícios e recuperação. Se possível, procure um nutricionista.

Compartilhe

Saiba Mais

     

    Redes Sociais