Publicada em 03/01/2019 às 12h36. Atualizada em 09/01/2019 às 08h50

Ansiedade ou Transtorno da Ansiedade Generalizada?

Você se considera uma pessoa ansiosa? Saiba quando a ansiedade é apenas um estado emocional ou quando é um problema de saúde.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

A globalização traz consigo uma série de novas oportunidades aos indivíduos, seja na área do trabalho, nas formações acadêmicas, na família ou na vida social. O que antes levaria dias para ser feito, hoje pode ser executado rapidamente. O dia a dia tornou-se mais rápido e tudo pode e deve ser agilizado em nosso cotidiano. As jornadas de trabalho duplicam ou triplicam se reunidas aos afazeres domésticos e/ou estudos.

Ser um bom pai, uma boa mãe, um bom filho e um bom profissional exige esforço, paciência e, principalmente, tempo a dedicar.  O mercado de trabalho está cada dia mais competitivo, e o uso de tecnologia robótica vem substituindo e modificando o trabalho humano. Novas oportunidades são oferecidas com uma frequência que outrora poderia parecer absurda. Oportunidades essas que vêm de diversos campos: formações acadêmicas, novos empregos, novos relacionamentos, novas formas de se relacionar com o outro, entre tantas outras oportunidades.

Devido às exigências que o mundo contemporâneo faz, percebe-se a demanda crescente de indivíduos com patologias relacionadas ao estresse, à ansiedade e às fobias. Conceitualmente, o estresse é derivado da exposição a estímulos ansiogênicos que desencadeiam uma resposta adaptativa desajustada à magnitude do estímulo. Essa resposta pode ser gerada quando pressões ambientais, psicológicas ou desajustes biológicos imprimem no sujeito a necessidade de ativar tais recursos adaptativos. De maneira persistente, pesquisas apontam que os transtornos ansiosos produzem morbidade desordenada, uso de serviço de saúde e comprometimento do desempenho do sujeito.

Ansiedade

A ansiedade é uma reação normal do organismo. Com base no olhar da psicologia evolucionista, ela serviria para manter o indivíduo alerta e motivado, e, possivelmente, auxiliá-lo em sua sobrevivência quando algo ameaçador à sua integridade física e psicológica, por ventura, surgisse. Pode-se discutir que a maioria das ocasiões ansiogênicas está ligada a algum evento que ameaça à integridade do sujeito.

Todo mundo experimenta ansiedade – uma sensação difusa, desagradável e vaga de apreensão, por vezes acompanhada de sintomas autonômicos, como cefaleia, perspiração, palpitações, aperto no peito, leve mal-estar epigástrico e inquietação, indicado pela incapacidade de ficar sentado ou de pé, quieto por muito tempo.

Geralmente, os sintomas da ansiedade vêm por meio de fatores cotidianos que colocam o indivíduo em algum tipo de risco que lhe gera dúvidas, expectativas ou medo. Uma entrevista de emprego, prestar vestibular, esperar pela lista de aprovados em um concurso público, o nascimento de um filho e dificuldades financeiras são os exemplos mais comuns de fatores estressantes.

"A ansiedade é adaptativa e tem qualidades salva-vidas, pois adverte sobre ameaças de lesão corporal, dor, impotência, possível punição ou frustração de necessidades corporais ou sociais, separação de entes queridos, além de ameaça ao êxito de um status individual."

A ansiedade é adaptativa e tem qualidades salva-vidas, pois adverte sobre ameaças de lesão corporal, dor, impotência, possível punição ou frustração de necessidades corporais ou sociais, separação de entes queridos, além de ameaça ao êxito de um status individual. Ela servirá como prevenção a um prejuízo ao alertar o indivíduo para realizar certos atos que o evitem.

A ansiedade pode estar ligada a fatores externos, como os já citados, e a estados emocionais, como a vergonha de algum constrangimento, o medo – que pode ser de um objeto específico ou de algo desconhecido –, sentimento de culpa, inferioridade, entre outros fatores ligados exclusivamente à percepção do sujeito.

No entanto, dois indivíduos podem ser acometidos pela mesma situação, e esta gerar ansiedade apenas em um deles. A maneira como o sujeito percebe determinado problema acarretará ou não ansiedade. Essa percepção não está ligada somente ao real significado de perigo da situação, mas também à história de vida do indivíduo e seu aprendizado com experiências passadas. Diante dessa perspectiva Yano (2015), salienta a compreensão da Gestalt acerca do mundo vivencial de cada indivíduo. Para a abordagem teórica do psicoterapeuta e psiquiatra Friederich Salomon Perls, o sujeito é o único ser capaz de conhecer sua situação no mundo.  Conclui-se então que a resposta a um estressor depende, em grande parte, da forma como o indivíduo percebe e avalia sua situação perante ele. Quanto maior a exposição ao objeto causador do stress, mais intensa a sintomatologia de ansiedade.

Leia também: 

Referências:

American Psychological Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. (5a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Organização Mundial da Saúde. (1997). Classificação dos transtornos mentais e de comportamento da CID-10. Porto Alegre: Artmed.

Davidoff, L. L. (1983). Introdução a Psicologia. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Fadiman, J., & Frager, R. (1986). Teorias da Personalidade. São Paulo: Harbra.

Holmes, D. S. (1997). Psicologia dos transtornos mentais. (2ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Margis, R., Picon, P., Cosner, A. F., & Silveira, R. O. (2003). Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 25(Supl.1), 65-74. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rprs/v25s1/a08v25s1.pdf. doi: 10.1590/S0101-81082003000400008

Mennin, D. (2004). Terapia de regulação emocional para transtornos de ansiedade generalizada. Psicologia cliníca e psicoterapia, 11(1), 17-29.

Muller-Granzotto, M. J. (2007). Fenomenologia e Gestalt- terapia. São Paulo: Summus.

Müller-Granzotto, M. J., & Müller-Granzotto, R. L. (2012). Clínicas Gestálticas: Sentido ético, político e antropológico da teoria do self. São Paulo: Summus.

Perls, F. S. (1979). Escarafunchando Fritz dentro e fora da lata de lixo. São Paulo: Summus Editorial.

Perls, F. S. (1977a). Gestalt-terapia explicada (3a ed.). São Paulo: Summus Editorial.

Perls, F. S. (1977b). Gestalt-Terapia e Potencialidades Humanas. In J. O. Stevens (Org.), Isto é Gestalt. São Paulo: Summus (Original publicado em 1975).

Perls, F. S., Hefferline, R., & Goodman, P. (1997). Gestalt- terapia. São Paulo: Summus.

Santos, L. P., & Faria, L. A. F. (2006). Ansiedade e Gestalt-terapia. Revista de Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, XII(1), 267-277. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=357735503027

Quevedo, J., Schmitt, R. A., & Kapczinski, F. (2008). Emergências psiquiátricas (2a ed.). Porto Alegre:Artmed.

Sadock, B. J., & Sadock, V. A. (2007). Compêndio de psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica (9a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Yontef, G. M. (1993). Processo, diálogo e awareness: ensaios em Gestalt-Terapia. São Paulo: Summus Editorial.

Zinker, J. (2001). A busca da elegância em psicoterapia. São Paulo: Summus Editorial.

Zinker, J.  (2007). Processo Criativo em Gestal-Terapia. São Paulo: Summus.

Rother, E.T. (2007). Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), v-vi. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ape/v20n2/a01v20n2.pdf. doi: 10.1590/S0103-21002007000200001

Santos, A. F. (2010). Determinantes psicossociais da capacidade adaptativa: um modelo teórico para o estresse (Tese de Doutorado). Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Yano, L. P. (2015). Gestalt terapia e modelo biomédico: aproximação na compreensão das psicopatologias. Revista psicologias, 1(1-23). Recuperado de http://revistas.ufac.br/revista/index.php/psi/article/ view/206

Freitas, J. R. C. B. (2016). A relação terapeuta-cliente na abordagem gestáltica. Revista IGT na Rede, 13(24), 85-104. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/igt/v13n24/v13n24a06.pdf 

Compartilhe

Saiba Mais

     

    Redes Sociais