Publicada em 19/08/2011 às 14h48. Atualizada em 24/08/2011 às 09h32

Apoio psicológico para pacientes de diabetes? Sim. Saiba porque é necessário

Hoje existem aproximadamente 4,6 milhões de diabéticos no Brasil e este número deve duplicar, chegando aos 8,9 milhões em 2030. Veja como familiares e amigos podem ajudar no tratamento com o apoio de um psicólogo.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

“No Brasil, a prevalência da doença é uma crescente; hoje existem aproximadamente 4,6 milhões de diabéticos no país, mas este número deve duplicar, chegando aos 8,9 milhões em 2030”.

O Diabetes Mellitus é uma doença crônica caracterizada pela elevação da taxa de glicose no sangue. A taxa normal é de aproximadamente 60 a 100 mg/dL e tal elevação está relacionada a fatores genéticos e ambientais (hábitos de vida). Observa-se que, com a presença de outros fatores como a obesidade, infecções bacterianas e viróticas, traumas emocionais ou gravidez, a doença pode aparecer mais cedo.  

O Diabetes Mellitus é um dos problemas de saúde mais sérios da atualidade, pois afeta um grande número de pessoas, causando incapacitações e matando prematuramente. Outro agravo é o aumento da prevalência mundial da doença, que atingiu proporções epidêmicas, contabilizando, 120 milhões de pessoas no mundo com o diagnóstico de diabetes. No Brasil, a prevalência da doença é uma crescente; hoje existem aproximadamente 4,6 milhões de diabéticos no país, mas este número deve duplicar, chegando aos 8,9 milhões em 2030, segundo dados do Ministério da Saúde.

O Diabetes Mellitus pode ser do Tipo 1, Tipo 2, Autoimune e Gestacional, atingindo assim crianças, adolescentes e adultos. Seu tratamento inclui reeducação alimentar, prática de exercícios físicos, uso de hipoglicemiantes orais ou aplicação de insulina para o resto da vida. Quando não tratada, desdobra-se em uma série de agravos, como a retinopatia diabética, nefropatia diabética e o pé diabético, uma das complicações que merece mais atenção devido ao impacto na qualidade de vida do paciente.

Por ser uma doença crônica e exigir uma série de modificações, após seu diagnóstico, o paciente e os familiares são tomados pelo medo, angústia, tristeza, revolta e insegurança. Em decorrência desse abalo emocional e das implicações e limitações advindas com a doença, é importante compreender o sistema familiar, tornando essa transição menos conturbada. É necessário que a família esteja ativa nessa nova rotina, a fim de auxiliar o ente diabético a aceitar a doença e aderir ao tratamento, uma vez que as modificações no estilo de vida tornam esse processo bastante difícil. Dentre as limitações significativas que afetam o cotidiano do diabético, está aquela relacionada à alimentação, uma vez que há uma perda de autonomia e liberdade de escolha dos alimentos que deseja ingerir.

Além do uso de hipoglicemiantes, da adoção de uma dieta equilibrada e de exercícios físicos, a troca de informações sobre a doença e seu tratamento é fundamental. Diante disso, a educação em saúde de pacientes diabéticos por meio de grupos com práticas interdisciplinares mostram-se efetivas, uma vez que fortalece e encoraja a decisão de seguirem à conduta adequada. No grupo, a possibilidade de expor sentimentos, compartilhar experiências, fazer uso de jogos de linguagem, estimula comportamentos de autocuidado, facilitando a adesão à terapêutica e melhorando sua qualidade de vida.

“Diante de tantos sentimentos que perpassam o adoecimento, como o medo das complicações em decorrência do diabetes, as hospitalizações e a incerteza do estado de saúde no futuro, o psicólogo deve estender esse cuidado à família.”

Na assistência ao diabético, é importante considerar sua individualidade, propondo um tratamento que seja adaptado ao seu atual estado de saúde. É relevante também a participação da família no percurso terapêutico de forma a comunicar-se com os profissionais de saúde, uma vez que um bom diálogo permite à família assumir um papel fundamental no controle da doença, proporcionando um cuidar com mais segurança e autonomia.

Um dos principais objetivos no cuidado ao diabético é torná-lo corresponsável pelo tratamento, por meio de um processo educativo contínuo, que inclua diferentes profissionais, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e enfermeiros. O profissional de psicologia deve resgatar sua essência de vida, compreendendo-o, enquanto ser que adoece; acolhendo os sofrimentos físicos e psicológicos que geram conflitos e angústias, tanto para o paciente quanto para sua família.

O psicólogo é responsável em acolher as angústias do diabético, compreendendo as dificuldades em lidar com as perdas do corpo saudável e de sua autonomia. Diante de tantos sentimentos que perpassam o adoecimento, como o medo das complicações em decorrência do diabetes, as hospitalizações e a incerteza do estado de saúde no futuro, o psicólogo deve estender esse cuidado à família, dando suporte psicológico a essa rede de apoio, intermediando o diálogo entre a família e a equipe de saúde, informando por meio da psicoeducação as especificidades da doença, suas complicações e os cuidados a serem tomados de forma a tornar o enfrentamento possível.


Compartilhe
Serviços Gratuitos
  • SEPSI - Serviço de Psicologia
    Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
    Tel.: (71)3276-8259
    Av. Dom João VI, nº 275, Brotas, Salvador, Bahia CEP: 40290-000
  • Centro de Referência Estadual para Assistência ao Diabetes e Endocrinologia - CEDEBA
    Tel.: (71) 3353-3298 / 7463
    Av. ACM, s/nº , Iguatemi, Salvador, Bahia, CEP.: 40.275-350
  • Associação dos Diabéticos de Salvador - ADISA
    Tel.: (71) 3241-5896
    Ladeira do Carmo 10, Pelourinho, Salvador, Bahia, CEP 40030-010
 

Redes Sociais