Publicada em 13/03/2019 às 13h36. Atualizada em 16/03/2019 às 21h39

Como o brinquedo e o brincar podem ser utilizados de forma terapêutica?

Entenda o que é e como funciona a fisiopediatria.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Ela é indicada na reabilitação de bebês e crianças em diversas situações. Para saber mais sobre a fisiopediatria, o iSaúde Brasil conversou com a fisioterapeuta pediátrica da Clínica de Fisioterapia da Bahiana Saúde, Maria Cristina Cardoso. 

iSaúde Brasil – O que é fisiopediatria?

Maria Cristina Cardoso – É a área da fisioterapia que atua na reabilitação de crianças com problemas funcionais de origem neurológica, respaldada na aplicação de manuseios e técnicas que estimulem a neuroplasticidade cerebral. Pode atuar também na área ortopédica ou respiratória. 

iSaúde Brasil – Qual profissional está capacitado a desenvolver essa especialidade da fisioterapia?

Maria Cristina Cardoso – Quem pode atuar nessa área é o fisioterapeuta com diploma reconhecido e que tenha especialização e/ou cursos na área de fisioterapia pediátrica reconhecidos pelo COFFITO.

iSaúde Brasil – Em quais problemas é indicado?

Maria Cristina Cardoso – A fisioterapia pediátrica está indicada nos seguintes casos:

desordens e atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor;

alterações funcionais de origem neurológica que afetam o tônus muscular, postura e biomecânica do movimento;

comorbidades respiratórias que comprometem o bom funcionamento da mecânica ventilatória;

reabilitação ortopédica decorrente de causas intraútero ou traumas sofridos após o nascimento.

iSaúde Brasil – Quais os principais benefícios da fisiopediatria?

Maria Cristina Cardoso – Os benefícios da fisioterapia pediátrica variam de acordo com a especialidade do tratamento solicitado dentro dessa área. Com a intervenção precoce, pode se alcançar a diminuição dos atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor secundário à prematuridade ou ao tempo prolongado de internamento em uma UTI neonatal. Na reabilitação neurológica e ortopédica, pode proporcionar maior independência para a criança na realização de suas atividades funcionais, além da prevenção e melhora de encurtamentos musculares e rigidez articular, proporcionando melhor controle motor e amplitude de movimento. No âmbito respiratório, pode otimizar a capacidade respiratória e as trocas gasosas.

iSaúde Brasil – Em quais ambientes é possível desenvolver essa técnica?

Maria Cristina Cardoso – A reabilitação infantil pode ser feita em ambulatórios ou hospitais, desde que tenham, na equipe multidisciplinar, fisioterapeutas aptos, com conhecimentos prévios e técnicas específicas necessárias para atuação nesse tipo de tratamento.

iSaúde Brasil – Qual é a diferença entre fisioterapia para adultos e fisioterapia para crianças?

Maria Cristina Cardoso – A diferença entre a fisioterapia em crianças e a fisioterapia em adultos é a utilização do recurso lúdico inserido no processo terapêutico. 

Através do brinquedo e do brincar, ocorre maior motivação da criança, o que é muito importante para o seu aprendizado motor. Ocorre também a ativação de suas vias sensoriais, atuando, assim, como um coadjuvante incentivador na aquisição de posturas, movimentos e uma infinidade de objetivos do fisioterapeuta dentro da atividade funcional proposta para o seu paciente.

iSaúde Brasil – Quais principais regiões do corpo são estimuladas através da fisioterapia infantil?

Maria Cristina Cardoso – A fisioterapia pediátrica com foco na reabilitação motora pode ser realizada na estrutura musculoesquelética do corpo com alteração funcional, biomecânica, sensorial e/ou estrutural que afetam o desenvolvimento infantil e o seu bem-estar, sejam elas de origem neurológica ou ortopédica. Já em comorbidades respiratórias, pode ser utilizada mediante a utilização de manobras específicas em caixa torácica, com o intuito de promover melhoria da mecânica pulmonar e das trocas gasosas.

iSaúde Brasil – Quais são as diferenças das técnicas utilizadas nos exercícios de reabilitação neuromotora, cognitiva e sensorial?

Maria Cristina Cardoso – O fisioterapeuta não realiza diretamente a reabilitação cognitiva, mas pode ter ganhos neste segmento, mediante a estimulação sensorial e motora aliada à neuroplasticidade.

Na reabilitação neuromotora, existem inúmeras técnicas que podem ser aprendidas em cursos desde que sejam reconhecidas pelo COFITTO. A minha formação, por exemplo, é pelo conceito Neuroevolutivo Bobath e pela Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva (PNF). 

Estímulos sensoriais são fornecidos durante todo o tratamento por representarem importantes vias de entrada para o desenvolvimento infantil e por participarem da modulação do movimento, na qual o cérebro organiza as informações provenientes do meio, tendo como resposta a organização das sensações do próprio corpo em relação ao ambiente. 

Compartilhe

Saiba Mais

     

    Redes Sociais