Publicada em 16/08/2011 às 21h05. Atualizada em 09/01/2019 às 10h05

Você já ouviu falar no vírus HTLV-1? Sabia que os remédios para seu tratamento podem afetar a saúde bucal?

Confira quais medicamentos causam danos graves na saúde de sua boca. Fique atento e converse com seu médico.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

"Os pacientes queixam-se de dificuldade ao mastigar e engolir, boca dolorida e cáries recorrentes".

Embora a infecção pelo vírus HTLV-1 apresente sintomas em apenas 5% dos casos, alguns medicamentos utilizados no seu tratamento podem causar danos à saúde bucal. À exceção do danazol, da pentoxifilina, da fosfomicina e nitrofurantoína, os demais medicamentos mais comumente prescritos podem provocar prejuízos à cavidade oral.

Os anti-inflamatórios podem provocar lesões, enquanto os antibióticos e antidepressivos, em sua maior parte, causam boca seca. A zalcitabina e a carbamazepina podem causar ferimentos na mucosa da boca. Outro medicamento que provoca boca seca e problemas gengivais é o antidepressivo imipramina.

O HTLV-1 está intimamente associado com o desenvolvimento de um tipo de mielopatia progressiva, conhecida como mielopatia associada ao HTLV-1/ Paraparesia Espástica Tropical (PET/MAH). Mielopatia é uma doença que compromete a medula espinhal, provocando perda gradual dos movimentos do corpo. Outras complicações médicas associadas em pacientes com PET/MAH incluem anormalidades em radiogra?as do tórax, Síndrome de Sjögren, cataratas, doenças das articulações, uveítes (inflamações nos olhos), polimiosites (inflamações nos músculos) e complicações na pele. 

A relação direta entre a infecção pelo HTLV-1 e manifestações bucais encontra-se ainda sob estudo. Quem sofre da PET/MAH parece ser mais susceptível à Sindrome de Sjogren, que é caracterizada por infiltração de células brancas do sangue nas glândulas salivares e lacrimais e presença de autoanticorpos no soro. Os pacientes queixam-se de dificuldade ao mastigar e engolir, boca dolorida e cáries recorrentes. No exame físico, a mucosa oral apresenta-se seca, avermelhada e pegajosa, sendo frequente a presença de rachaduras. A xerostomia - a secura na boca - agrava infecções bucais e pode causar estomatites.

Em caso de suspeita de infecção pelo HTLV-1, o exame mais usado para diagnóstico é o chamado teste de ELISA, que sempre deve ser acompanhado de outros testes confirmatórios, com uma amostra diferente de sangue. Outro procedimento comum é recorrer à reação em cadeia da polimerase, método conhecido como PCR. Esse diagnóstico e o tratamento podem ser feitos no Grupo de HTLV da Bahiana quando os pacientes são referenciados pelo SUS.
O contágio por HTLV-1 pode acontecer por uso compartilhado de seringas, agulhas e outros objetos cortantes, pelo aleitamento da mãe infectada para o filho recém-nascido e por relações sexuais desprotegidas. A saliva, no entanto, não transmite o vírus. 

"Na população baiana, a infecção atinge 9,0% e 6,0% em mulheres e homens, respectivamente."



Na população baiana, a infecção atinge 9,0% e 6,0% em mulheres e homens, respectivamente, com idade superior a 50 anos, principalmente entre as pessoas da camada mais pobre da população.

O HTLV foi isolado a partir de um paciente com um tipo raro de leucemia de células T. Logo, os cientistas descobriram que ele aparece em diferentes formas: o HTLV-1, ligado à doença neurológica e leucemia, o HTLV-2, mais conhecido como tipo 2, pouco apontado como causa de doença. Atualmente, 4 tipos de HTLV são conhecidos.

Quem se infecta com o HTLV-1 pode desenvolver problemas neurológicos, com queixas de dores nas batatas das pernas, na parte mais baixa da coluna ou mesmo dificuldade em defecar ou urinar. O paciente pode ir perdendo a capacidade dos membros inferiores e terminar em cadeira de rodas. A leucemia de células T é mais rara do que a PET/MAH e é um tipo de câncer bastante agressivo. Quando a pessoa descobre que é portadora do HTLV-1 precisa mencionar isso toda vez que procurar atendimento médico. Também não deve doar sangue, sêmen, órgãos ou tecidos.

 

Palavras Chave:

htlv saúde bucal vírus dst
Compartilhe
Serviços Gratuitos
  • Centro Integrativo e Multidisciplinar de Atendimento ao Portador de HTLV e Hepatites Virais
    Ambulatório Docente Assistencial da Bahiana - ADAB
    Tel.: (71) 3276 8200
    Av. Dom João VI, nº 275, Brotas, Salvador, Bahia, CEP: 40290-000
  • Superintendência de Vigilância à Saúde - Diretoria de Vigilância Epidemiológica
    Tel.: (71) 3116-0057/0076
    Rua Metódio Coelho, 55, Cidadela,Salvador,Bahia, CEP: 40.279-120
  • Serviço de Imunologia
    Hospital Professor Edgard Santos
    Tel: (71) 3283-8392
    Rua Augusto Viana S/N, Canela,Salvador, Bahia,Cep 40.110-060
 

Redes Sociais