Publicada em 31/01/2019 às 13h34. Atualizada em 31/01/2019 às 13h49

Depressão na adolescência: intervenção e tratamento

Confira a terceira parte do artigo “Aspectos psicossociais no adolescente depressivo”.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Leia também:

Algumas pesquisas demonstram a existência de uma espécie de ‘’rede terapêutica’’ em torno do adolescente com o transtorno depressivo, que se compõe antes mesmo da procura por atendimento especializado.  Essa rede é formada por um círculo de aconselhamento de familiares, amigos e vizinhos, podendo haver também, uma procura por curandeiros ou outros aspectos ligados à religião do adolescente e da família, aproximação esta que poderá ser motivada pela própria doença. Com o mesmo cunho, Aragão (2009) realizou uma pesquisa com alunos do ensino médio, que nos dita o apoio religioso como tópico contribuinte para o tratamento.

Estudos apontam que existem três principais barreiras para a procura de tratamento médico: as barreiras estruturais, que estão relacionadas ao transporte e à disponibilidade de dinheiro para pagar o tratamento; as barreiras referentes à percepção dos problemas mentais e à ideia de que é possível se curar sem tratamento adequado e, por fim, as barreiras ligadas ao preconceito e à falta de boas experiências com serviços de saúde em casos anteriores.

Diagnosticada a depressão no adolescente, é importante frisar que, em algumas famílias, a busca por ajuda profissional tem acarretado no distanciamento do preconceito ao tratamento e, também, na aceitação da doença pelo paciente, além do desejo de melhora, fatores importantes para uma recuperação satisfatória. O meio social que o adolescente está inserido, nesse caso, a escola, é fator determinante frente à percepção dos sintomas evidenciados por esses alunos, assim, percebe-se a ampliação para a conduta necessária dos profissionais envolvidos, pois, acaba sendo um auxílio para os pais na identificação do problema. 

Da mesma forma, considera-se fundamental que médicos e profissionais da saúde chamem a atenção dos adolescentes sobre o uso exagerado das redes sociais, ajudando e alertando a família a perceber o que esse adolescente vivencia do mundo real e virtual.

Algumas das dificuldades que os pacientes adolescentes têm de enfrentar durante o tratamento e as descritas com maior frequência são as questões relacionadas à escola, além dos enfrentamentos da ansiedade, da depressão e do medo. Logo em seguida, há problemas comportamentais e de convívio social, seja com a família ou com os amigos. Percebe-se que os mesmos podem não receber o tratamento médico adequado, ficando, assim, propensas à queda de rendimento escolar, ao uso de substâncias psicoativas, agressão e envolvimento em atos criminosos. Constantemente, há propagandas e anúncios sobre os medicamentos antidepressivos.  Esses são vendidos pela mídia como promessa de uma vida tranquila e garantia de harmonia. Assim, o consumismo associado ao uso abusivo e inadequado de medicamentos para o alívio da dor emocional, agregado ao preconceito com tais doenças psíquicas, faz com que sejam vistos pela população, como uma cura para o enfermo ou apenas a prevenção de uma depressão futura. 

Considerações finais

"...a possibilidade de ter um filho adolescente com alguma doença mental afeta profundamente a família, que, geralmente, se sente angustiada e confusa por não encontrar recursos para lidar com a situação de sofrimento..."

O processo de entendimento sobre o meio social em que o adolescente está inserido é considerado um fator de impacto que reflete não somente no âmbito familiar, mas também na escola e na sociedade em geral. Percebeu-se que a possibilidade de ter um filho adolescente com alguma doença mental afeta profundamente a família, que, geralmente, se sente angustiada e confusa por não encontrar recursos para lidar com a situação de sofrimento, além de enfrentar o preconceito existente na sociedade e até mesmo no próprio meio familiar. 

Vale destacar a importância da identificação de uma espécie de rede terapêutica ou rede de proteção, o que facilita e contribui para o tratamento; essa rede é formada pelos amigos, pela família do adolescente e pelo próprio tratamento médico em que ele está envolvido. Em alguns casos, a religião do paciente também é considerada como sendo um fator importante para o processo. Entretanto, existem barreiras que dificultam a profilaxia, dentre elas, podemos citar a baixa renda familiar, o preconceito e o desconhecimento sobre a depressão, a espera demasiada por uma consulta ambulatorial e os recursos escassos que ainda podem refletir no atendimento clínico, como a falta de medicamento e longas horas de espera na fila para recebimento do medicamento.

Veja a versão do artigo científico na íntegra: 

Referências:

Antunes, H. M., Campos, C. J. G., Lima, G. M. P. A., & Ferraz, I. L. G. (2016). Motivos e crenças de familiares frente ao tratamento do transtorno depressivo na infância: Estudo qualitativo. Estudos de Psicologia, 21(2), 157-166. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/epsic/v21n2/1413-294X-epsic-21-02-0157.pdf.  doi:10.5935/1678-4669.20160016

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70. Chavez, E. R. (2014). Transtornos depressivos em niños y adolescentes. Diagnostico, 53(3),136-141. Recuperado de http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-765154

Crujo, M., & Marques, C. (2009). As perturbações emocionais – ansiedade e depressão na criança e no adolescente. Rev Port Clin Geral, 25, 576-82. Recuperado de http://www.rpmgf.pt/ojs/index.php/rpmgf/article/ viewFile/10675/10411

Encarnação, R., Moura, M., Gomes, F., & Silva, P. C. (2011). Caracterização dos casos observados numa equipe de psiquiatria da infância e adolescência: Um estudo retrospectivo. Acta Med Port, 24(6), 925-934.

Schoen-Ferreira, T. H., Aznar-Farias, M., & Silvares, E. F. M. (2010). Adolescência através dos Séculos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(2), 227-234. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ptp/v26n2/a04v26n2.pdf. doi: 10.1590/S0102-37722010000200004

Melo, A. K., Siebra, A. J., & Moreira, V. (2017). Depressão em Adolescentes: Revisão da Literatura e o Lugar da Pesquisa Fenomenológica. Psicologia Ciência e Profissão, 37(1), 18-34. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pcp/v37n1/1982-3703-pcp-37-1-0018.pdf. doi: 10.1590/1982-37030001712014

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J., Altman, D. G., The PRISMA Group. (2009). Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA Statement. PLoS Med, 6(6), e1000097. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19621072. doi: 10.1371/journal.pmed.1000097

Resende, C., Santos, E., Santos, P., &  Ferrão, A. (2013). Depressão nos adolescentes - mito ou realidade?. Nascer e Crescer, 22(3), 145-150. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/nas/v22n3/v22n3a03.pdf 

Rojas, G., Gaete, J., Guajardo, V., Martínez, V., Barroilhet, S., Meneses, J., ... Araya, R. (2012). Consumo de substancias y sintomas depressivos em escolares de liceos municipales de Santiago. Rev Med Chile, 140, 184-191. Recuperado de https://scielo.conicyt.cl/pdf/rmc/v140n2/art06.pdf. doi: 10.4067/S0034-98872012000200006

Sobral, F. R., & Campos, C. J. G. (2012). Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(1), 208-218. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n1/v46n1a28.pdf.  doi: 10.1590/ S0080-62342012000100028

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão Integrativa: o que é e como fazer. Revista Einstein, 8(1), 102-6. Recuperado de http://www.scielo.br/ pdf/eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102.pdf. doi: 10.1590/s1679-45082010rw1134

Whittemore, R., & Knalf, K. (2005). The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs, 52(5), 546-53. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih. gov/pubmed/16268861. doi:10.1111/j.1365-2648.2005.03621.x

World Health Organization. (2017). Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. Geneva: WHO.

Xerinda, J. E., & Bucher-Maluschke, J. S. N. F. (2016). Estrutura Familiar de um Adolescente com Depressão atendido no Centro de Reabilitação Psicológica Infantil e Juvenil de Maputo Moçambique. Adolesc Saúde, 13(3), 16-24. Recuperado de http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=602

Compartilhe

Saiba Mais

     

    Redes Sociais