Publicada em 14/11/2017 às 11h10. Atualizada em 14/11/2017 às 11h20

Estrabismo tem cura?

Alguns tratamentos podem reverter os desvios nos olhos. Confira a entrevista com a médica oftalmologista, Anna Karlla Sampaio.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

iSaúde Bahia - Você poderia explicar aos leitores do iSaúde Bahia o que podemos entender por estrabismo?

Anna Karlla Sampaio - Estrabismo, de uma maneira geral, é o desalinhamento dos olhos na posição primária do olhar, ou seja, quando o paciente fixa um objeto à sua frente, um dos olhos encontra-se desviado no sentido horizontal ou vertical. Esse problema tem tratamento e pode ser revertido chegando a 100% de correção. Para saber mais sobre o assunto, o iSaúde Bahia conversou com a médica oftalmologista Anna Karlla Sampaio.

iSB - Quais os tipos de estrabismo mais comuns e quais os mais raros ou de grau mais avançado?

Anna Karlla Sampaio - Existem diversas formas de classificar os estrabismos, a mais simples divide os estrabismos em horizontais e verticais. Os desvios horizontais são os mais comuns e podem ser convergentes (“olho desviado para dentro”) ou divergentes (“olho desviado para fora”), já os verticais são aqueles em que um dos olhos encontra-se mais alto ou mais baixo em relação ao outro.  Os estrabismos também podem ser infantis ou secundários a outras patologias, como paralisias de nervos cranianos, por exemplo.

iSB - Quais as causas desse problema?

Anna Karlla Sampaio - O estrabismo é oriundo do desequilíbrio das forças musculares dos músculos responsáveis pelos movimentos oculares ou de alterações orbitárias que restringem o movimento dos olhos.  O desequilíbrio das forças musculares é a causa mais comum e pode ser primário ou secundário, este último decorrente de lesões nervosas.

"O estrabismo é oriundo do desequilíbrio das forças musculares dos músculos responsáveis pelos movimentos oculares ou de alterações orbitárias que restringem o movimento dos olhos. "

iSB - É possível diagnosticá-lo logo no início da vida ou é preciso que a criança cresça mais um pouco para fazer o diagnóstico?

Anna Karlla Sampaio - O estrabismo pode surgir em qualquer fase da vida, no entanto, seu diagnóstico só é possível a partir dos seis meses de idade, pois, até esse período, a criança pode apresentar desvios momentâneos dos olhos devido à imaturidade do seu sistema visual, podendo não corresponder ao diagnóstico de estrabismo. Portanto, após os seis meses de vida, qualquer desalinhamento dos olhos é considerado estrabismo e deve ser tratado o quanto antes para proporcionar o melhor desenvolvimento possível da visão.

iSB - A correção do(s) desvio(s) é apenas cirúrgica ou é possível corrigir de outras formas?

Anna Karlla Sampaio - Alguns tipos de estrabismo na infância podem ser corrigidos com óculos. O tratamento oclusivo (“tampão ocular”) não corrige o desvio, mas é de suma importância o seu uso nas crianças para garantir o desenvolvimento visual do olho desviado enquanto o tratamento definitivo não é realizado. Em algumas situações, o desvio pode ser corrigido com injeção de toxina botulínica no músculo com força aumentada.

iSB - O tratamento para o estrabismo só pode ser realizado na infância ou adultos também podem corrigir os desvios? Há limite de idade para realizar a cirurgia?

Anna Karlla Sampaio - Os estrabismos que surgem na infância e não estão associados com outros problemas visuais devem ser tratados o quanto antes, para permitir o melhor desenvolvimento da visão possível, seja com óculos ou cirurgia. Não há limite de idade para correção do estrabismo e a cirurgia estética pode ser feita em qualquer tempo, desde que o paciente tenha condições clínicas de submeter-se ao procedimento cirúrgico.

iSB - No caso dos adultos, também há outras formas de tratamento ou apenas a cirurgia?

Anna Karlla Sampaio - Para os adultos, o alinhamento dos olhos é possível apenas com cirurgia. Alguns casos específicos podem melhorar com aplicação de toxina botulínica. Em casos de pequenos desvios que causam diplopia (visão dupla), óculos com prismas podem melhorar esse sintoma, mas não corrigem o desvio.

iSB - Em que consiste a cirurgia de estrabismo?  Como é o pré e o pós- operatório?

Anna Karlla Sampaio - A cirurgia do estrabismo é realizada, geralmente, sob anestesia local e sedação leve para os adultos, anestesia geral para as crianças e consiste em fortalecer o músculo com força reduzida e enfraquecer aquele que se encontra mais forte. No pré-operatório, são solicitados exames clínicos gerais para avaliar o risco cirúrgico do paciente e realizada a medida do desvio através de teste ortóptico, para que a cirurgia seja bem planejada. No pós-operatório imediato, já é possível notar o resultado da cirurgia, e o paciente pode apresentar um leve desconforto no olho operado, devido aos fios de sutura, que são absorvidos em até 60 – 90 dias. Para amenizar o desconforto e acelerar a recuperação, o paciente precisar usar colírios que são prescritos após o procedimento.

iSB - A pessoa com estrabismo enxerga menos? O desvio ocasiona algum problema na visão?

Anna Karlla Sampaio - Se o desvio está presente desde a infância, surgindo antes dos oito anos de idade (em média) e o paciente nunca foi tratado desde então (tratamento com tampão, óculos ou cirurgia de estrabismo), o desenvolvimento visual do olho desviado fica prejudicado e o paciente pode, sim, enxergar menos. Desvios que surgiram após os oito anos (idade média em que o desenvolvimento da visão é completo) não levam à diminuição da visão, mas podem causar diplopia.

iSB - Além de questões relacionadas à saúde ocular, a pessoa com estrabismo pode sofrer com esse problema de outras formas?

Anna Karlla Sampaio - Ter estrabismo não só pode afetar a visão, mas também pode interferir na autoestima dos pacientes. Sem dúvida, o desvio ocular é estigmatizante, pois, em muitos casos, pode ser facilmente notado pelas pessoas ao redor. Em virtude disso, os portadores dessa doença acabam tentando disfarçar o desvio com óculos escuros, cortes de cabelo, evitando sua exposição em certos ambientes quando sabem que serão notados, o que acaba gerando problemas psicológicos e afetando as relações dos pacientes com outras pessoas. Sendo assim, é importante salientar que, na maioria das vezes, o estrabismo pode ser corrigido, seja com óculos ou com cirurgia. Se você tem desvio dos olhos, procure um oftalmologista para avaliação, pois, muitas vezes, a resolução desse problema pode ser mais simples do que você imagina!

Compartilhe

Saiba Mais

     

    Redes Sociais