Publicada em 25/10/2011 às 16h32. Atualizada em 26/10/2011 às 10h20

Reconstrução mamária devolve autoestima a pacientes com câncer de mama

Confira a entrevista com o cirurgião plástico, Dr. Victor Pochat, e saiba mais sobre a importância da reconstrução mamária para a saúde física e mental das pacientes.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Em entrevista ao iSaúde Bahia, Dr. Victor Pochat explica como a reconstrução da mama pode promover uma melhor qualidade de vida e saúde para as pacientes de câncer de mama que passam pela cirurgia de mastectomia.

iSB - O que é mastectomia?

Dr. Victor Pochat - Mastectomia é a remoção parcial ou total da mama, indicada no tratamento de tumores mamários. Pode envolver a retirada de pele e do complexo aréola-mamilo, ou pode ser poupadora de pele (nesse caso, é denominada adenomastectomia).

iSB - Como se dá a participação do cirurgião plástico nas cirurgias de mastectomia?

Dr. Victor Pochat - A abordagem nesse tipo de procedimento deve ser multidisciplinar, envolvendo, além de mastologistas e cirurgiões plásticos, a participação de oncologistas, patologistas, psicólogos e fisioterapeutas. A conduta do cirurgião plástico dependerá do tipo de tratamento proposto pelo mastologista, bem como de uma conversa honesta com a paciente sobre as possibilidades terapêuticas e o melhor momento da reconstrução mamária.

iSB - Existem diferentes tipos de reconstrução da mama?

Dr. Victor Pochat - Sim. A modalidade escolhida pelo cirurgião plástico depende da localização e do grau de sequela deixada pela ressecção tumoral. As remoções parciais da mama (quadrantectomias) podem ser reconstruídas mediante tecido da própria mama, através da associação com uma plástica mamária em casos de mamas volumosas e utilizando-se tecido da vizinhança (região lateral da mama).  Nas mastectomias, há uma necessidade de maior quantidade de tecido disponível para a reconstrução. As técnicas mais comuns envolvem a utilização de próteses mamárias expansoras (que aumentam de volume progressivamente, permitindo a melhor acomodação da pele) e utilização de retalhos (pele, gordura e músculo do próprio organismo) das costas e do abdome.

iSB - É possível reconstituir a mama após uma mastectomia total?

Dr. Victor Pochat - Sim. Para cada paciente existe uma modalidade cirúrgica que melhor se enquadrará no seu perfil físico e também psicológico. Geralmente são necessárias duas ou três cirurgias para reconstrução total da mama (incluindo a reconstrução da aréola e do mamilo). Em muitos casos, a simetrização (plástica mamária) da outra mama pode favorecer o melhor resultado estético final.

iSB - A partir de quanto tempo a paciente pode realizar a cirurgia de reconstrução da mama?

Dr. Victor Pochat - A reconstrução de mama pode ser imediata ou tardia (tratamento da sequela resultante). Até a década de1970, as reconstruções mamárias eram sempre tardias (após meses ou anos). Diversos estudos demonstraram que a reconstrução imediata (no mesmo momento da mastectomia) não piorava o prognóstico e nem a sobrevida das pacientes. Na verdade, o que se observou foram benefícios estéticos, funcionais e psicológicos devido à diminuição do estigma da mutilação. Atualmente, a escolha do momento da reconstrução é definida com a paciente, levando em consideração o tipo de tratamento oncológico e também a escolha da técnica de reconstrução mamária.

iSB - Por que a reconstrução da mama é indicada para mulheres que passam por mastectomias ?

Dr. Victor Pochat - A mama é considerada um símbolo de maternidade, fertilidade e sexualidade. As deformidades mamárias decorrentes de remoções de tumores ou traumas possuem impacto muito grande na vida das mulheres. A reconstrução mamária visa restaurar o contorno corporal e o equilíbrio físico e mental das mulheres que passaram por essa experiência.

iSB - Toda mulher que perdeu parcial ou totalmente a mama pode realizar a cirurgia de reconstrução?

Dr. Victor Pochat - Para realizar uma reconstrução mamária, a paciente deverá realizar exames pré-operatórios. Fumantes e portadores de doenças como diabetes possuem risco aumentado de desenvolver complicações após qualquer tipo de procedimento cirúrgico. Se a paciente foi submetida a sessões de radioterapia, a utilização de próteses pode ser limitada.  Por isso, a avaliação pré-operatória é tão importante no cuidado dessas pacientes.

iSB - A mama reconstruída tem sensibilidade (a paciente sente toque, prazer etc.)?

Dr. Victor Pochat - A sensibilidade mamária é dependente da inervação da pele remanescente e do tipo de abordagem. Após uma adenomastectomia (remoção da glândula mamária), na qual a pele é conservada com uma camada de gordura, a sensibilidade é preservada parcial ou totalmente. Assim como em plásticas mamárias, a sensibilidade retorna após semanas ou meses nessas situações. Porém, em casos de mastectomia, o novo tecido perde a inervação adequada quando é transferido e não consegue promover uma boa sensibilidade para a nova mama.

iSB - O que se busca com a reconstituição da mama? Qual o objetivo dessa cirurgia?

Dr. Victor Pochat - A reconstrução mamária visa restabelecer a harmonia corporal e a recuperação da autoestima. O restabelecimento da simetria mamária aumenta a qualidade de vida das mulheres, o que já foi comprovado cientificamente.

Compartilhe
 

Redes Sociais