Publicada em 30/05/2012 às 18h33.

Teste do Pezinho: quanto mais cedo, melhor para você e seu bebê

Especialista fala sobre a importância do teste e como ele pode detectar até 30 tipos de doença.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Imagine poder descobrir logo após o nascimento algumas doenças que seu fílho pode ter e poder tratá-las a tempo para que ele cresça saudável. Isso é possível por meio de um procedimento simples, a triagem neonatal, mais conhecida como “teste do pezinho”. Ele é realizado gratuitamente pelo Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN), amplo programa de saúde pública do Ministério da Saúde. Esse é um direito de todo brasileiro, garantido por lei, que deve ser exigido.
 

O ideal é que seja feito até o 7º dia.


Desde 2001, quando foi criado o PNTN, todos os estados do Brasil contam com, pelo menos um Serviço de Referência em Triagem Neonatal e diversos postos de coleta para o teste do pezinho, espalhados por todos os municípios de cada estado. Os dados disponíveis na Bahia mostram que cerca de 90% das crianças que nascem na Bahia realizam o exame por meio do SUS. A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Salvador (APAE) é a única entidade no estado credenciada pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria de Saúde do Estado para realizar esse teste. Aqui, também é realizado pela rede de convênios e particulares.

Recomendamos que ele seja feito a partir do 3º dia de vida da criança (antes disso ela ainda não se alimentou o suficiente para que algumas alterações, como a fenilcetonúria, apareçam, levando ao risco de exames falso-negativos). O ideal é fazer até o 7º dia. Não há impedimento, no entanto, para se fazer depois desse tempo, mas, quanto mais cedo, melhor para otimizar o início de tratamento dos casos diagnosticados, que deve começar antes dos primeiros 30 dias de vida.  

O teste pode ser colhido em postos de saúde, hospitais e maternidades. Ele é muito simples e não traz perigo para a criança. De apenas um furinho, recolhe-se, do calcanhar do recém-nascido, amostras de sangue em um papel filtro. O lugar é escolhido pela facilidade e praticidade - é mais rápido e menos doloroso do que outras formas de coleta de sangue. Caso os resultados apresentem alguma alteração, não é necessário entrar em pânico, pois esse tipo de exame não é conclusivo e precisa ser confirmado por meio de testes mais específicos. E, se alguma doença for confirmada, o tratamento existe e está imediatamente disponível no Serviço de Referência em Triagem Neonatal da APAE Salvador, através de nossa equipe interdisciplinar.

Entre as doenças que o teste realizado pela APAE registra, está o hipotireoidismo congênito, que, se não for tratado precocemente compromete o crescimento e o desenvolvimento mental da criança. Nós da  APAE Salvador, estimamos que, a cada 2.900 nascidos vivos no estado, um tem a doença. Outra alteração registrada pelo exame é a fenilcetonúria, que pode levar ao atraso no desenvolvimento neuropsicomotor e à deficiência mental. Ela é menos comum do que o hipotireoidism e afeta, na Bahia, um a cada16.340 nascidos vivos.

Já a doença falciforme, por atingir principalmente pessoas de ancestralidade africana, tem uma alta incidência na Bahia. A cada 650 nascidos vivos, um tem o diagnóstico dessa doença. Por alterar as hemoglobinas, ele deixa a criança vulnerável à anemia e infecções. Para a fibrose cística, que afeta pulmões e pâncreas, não temos números, pois o estado ainda não realiza esse exame.

No sangue coletado no teste do pezinho, é possível identificar mais de 30 doenças antes que seus sintomas se manifestem.


No caso de se confirmar o hipotireoidismo congênito, é feita a reposição do hormônio da tireóide. Quem vai determinar a dosagem é um endocrinologista, pois, cada caso representa uma necessidade diferente. A fenilcetonúria é tratada com uma dieta especial, que vai restringir o consumo de proteínas em geral. Para a anemia falciforme, ainda não há cura, mas a criança deve iniciar desde cedo um tratamento profilático com antibióticos e vacinas para evitar a ocorrência de infecções, o que reduz a gravidade da doença.

No sangue coletado no teste do pezinho, é possível identificar mais de 30 doenças antes que seus sintomas se manifestem. Esses exames são os chamados testes ampliados. Infelizmente esse é um recurso ainda muito caro e oferecido apenas através de convênios e particulares. Geralmente, quanto maior o número de doenças detectadas, mais caro é o exame, os exames confirmatórios e o tratamento em caso de alteração. Essas doenças não mostram sintomas nos primeiros meses de vida, daí a importância de descobri-las e tratá-las precocemente. Assim, as sequelas de cada uma dessas doenças podem ser diminuídas e até mesmo evitadas. 

Compartilhe
Serviços Gratuitos
  • Serviço de Referência em Triagem Neonatal (SRTN) - Apae
    Tel: (71) 3270-8300
    Rua Rio Grande do Sul, 545, Pituba, Salvador - BA, CEP: 41.830-141
 

Redes Sociais