Publicada em 17/06/2019 às 17h53. Atualizada em 17/06/2019 às 17h57

Alergias Alimentares São João

O período junino é famoso pela sua culinária. Mas é bom ficarmos atentos aos excessos.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Amendoim, milho, licores... ingredientes que enchem as mesas nos festejos juninos seja em bolos e pratos típicos como pamonha, munguzá, caldos, canjicas e mingaus. Porém, precisamos estar atentos a alguns riscos com os excessos nesse período. Para saber um pouco mais sobre cuidados nesse período, o iSaúde Brasil conversou com a médica alergologista Paula Dantas.

 

iSaúde Brasil - Bolos, amendoins, pamonha, mungunzá, caldos, paçoca e canjica são algumas das delícias que dão água na boca no período junino, mas também podem se tornar vilãs. Por quê?

Paula Dantas -  Além de provocarem o sobrepeso, quando consumidas em excesso, as comidas juninas ainda podem ser as causadoras de alergias alimentares, que vão desde lesões na pele até sintomas intestinais e respiratórios para indivíduos que possuem predisposição genética.

 

iSaúde Brasil - O que podemos definir como alergia alimentar?

Paula Dantas - Alergia alimentar é uma reação exacerbada do organismo a proteínas presentes nos alimentos.

iSaúde Brasil - Quais as reações que podem ocorrer?

Paula Dantas - As reações podem ser leves a exemplo de coceira e vermelhidão na pele ou graves, como o edema de glote e a anafilaxia que pode comprometer o funcionamento de órgãos vitais. Dentre as comidas típicas de São João, os principais responsáveis por alergias alimentares são o amendoim e o leite de vaca, presente no mungunzá, na canjica e no bolo.

iSaúde Brasil - Durante uma reação alérgica aguda, quais os sintomas que podem ser percebidos?

 

Paula Dantas - Vermelhidão, inchaços, coceira, dor abdominal, diarreia, vômitos, dificuldade para respirar, rouquidão, tosse e diminuição da pressão arterial são os principais sintomas. Uma dica importante é que quando os sintomas surgem subitamente após o contato com o alimento e com mais de um sistema envolvido, a reação é considerada grave e o paciente precisa de atendimento médico de emergência.

 

iSaúde Brasil - Como se dá o diagnóstico da alergia alimentar?

 

Paula Dantas - O diagnóstico de alergia só é possível através de uma história clínica bem detalhada e, posteriormente, aplicação de exames específicos para cada caso. Esses exames auxiliares podem ser de diversos tipos como os de pele (teste cutâneo) e a análise do sangue. É importante destacar que exames isolados não dão diagnóstico de alergia. A história clínica é fundamental.

iSaúde Brasil - Existem testes de provocação para diagnosticar a alergia alimentar? 

Paula Dantas - Sim, existem ainda os testes de provocação, em que a substância suspeita de causar alergia é ingerida pelo paciente. Esse procedimento deve ser realizado em ambiente com suporte para tratamento de possíveis reações alérgicas e sempre sob supervisão de um médico experiente.

iSaúde Brasil - As alergias alimentares têm controle?

 

Paula Dantas - Na maioria das doenças alérgicas se consegue o controle adequado através da exclusão do agente causador. No caso das alergias alimentares, algumas se resolvem com o passar do tempo por um mecanismo de tolerância adquirida pelo organismo e outras são mais persistentes.

Compartilhe

Saiba Mais

     

    Redes Sociais