Publicada em 12/09/2013 às 00h00. Atualizada em 17/09/2013 às 11h37

Estressado?! Respire fundo... chegou a hora de relaxar!

Confira alguns caminhos para lidar melhor com o estresse ocupacional.

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Sabe-se que não é possível eliminar o estresse da vida das pessoas, mas existem meios para evitar que ele se torne excessivo e, consequentemente, acarrete tantos outros problemas para os indivíduos. Por essa razão, ressalta-se a importância do conhecimento acerca desse processo, de suas fases e de suas manifestações para que seja possível controlar seus efeitos negativos.

"Programas de manejo de estresse ocupacional podem ser focados na organização de trabalho e/ou no trabalhador".



Programas de manejo de estresse ocupacional podem ser focados na organização de trabalho e/ou no trabalhador. Intervenções focadas na organização são voltadas para a modificação de estressores do ambiente de trabalho, podendo incluir mudanças na estrutura organizacional, condições de trabalho, treinamento e desenvolvimento, participação, autonomia e relações interpessoais no trabalho. 

Intervenções focadas no indivíduo almejam reduzir o impacto de riscos já existentes, através do desenvolvimento de um adequado repertório de estratégias de enfrentamento individuais. Embora arranjos do ambiente organizacional produzam possivelmente resultados mais rápidos e eficazes na promoção da saúde, intervenções focadas no trabalhador podem também contribuir para a prevenção de doenças, ao atuarem como ferramenta auxiliar em programas multidisciplinares de promoção de saúde no trabalho.

"O modo como a pessoa lida com as circunstâncias geradoras de estresse exerce grande influência sobre sua saúde..."

O modo como a pessoa lida com as circunstâncias geradoras de estresse exerce grande influência sobre sua saúde, modulando a gravidade do estresse resultante. Então, o trabalhador poderá ter sua saúde protegida ao se engajar em comportamentos de enfrentamento adequados que amenizem o impacto psicológico e somático do estresse. 

As preocupações com o estresse têm sido cada vez maiores por parte dos profissionais de saúde, uma vez que esse fato vem desempenhando um papel importante no processo trabalho-saúde-doença, devido às consequências, tais como, incapacidade e morte dos trabalhadores. 

As estratégias de intervenção para a prevenção e tratamento da síndrome de burnout podem ser agrupadas em três categorias: 

-    Estratégias individuais: Dentro das estratégias do nível individual o uso do treinamento na solução dos problemas é recomendado, o treinamento da assertividade e os programas de treinamento para manejar o tempo de maneira eficaz. 

-    Estratégias grupais: No nível do grupo, a estratégia por excelência é o uso do apoio social no trabalho por parte dos companheiros e dos supervisores. Através do apoio social no trabalho é que os indivíduos obtêm dados novos, adquirem habilidades novas ou melhoram aquelas que já possuam, obtêm o reforço, a sustentação emocional e o feedback na execução das tarefas. 

-    Estratégias organizacionais: Finalmente, é muito importante considerar o organizacional, porque a origem do problema está no contexto laboral e, consequentemente, o sentido da organização deve desenvolver os programas da prevenção dirigidos para melhorar a atmosfera e o clima da organização.

Além de todas essas medidas estratégicas de intervenção no manejo do estresse ocupacional e na síndrome de burnout, existem outras capazes de prevenir o desenvolvimento das desordens musculoesqueléticas em trabalhadores submetidos a determinadas condições de trabalho. Realização de atividades físicas regulares, boa postura e manter uma alimentação saudável, são fatores que contribuem para a qualidade e longevidade da vida.

Referências:

AGUIAR, S. M. et al. Prevalência de sintomas de estresse em estudantes de medicina. J Bras Psiquiatr. 2009;58(1):34-8).

BELANCIERI, Maria de Fátima; BIANCO, Maria Helena BorgatoCappo. Estresse e repercussões psicossomáticas em trabalhadores da área da enfermagem de um hospital universitário. Texto e Contexto enfermagem, janeiro-março, 2004, ano/vol. 13, número 001, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis-SC, Brasil 

BENKE, Mara Regina Pagnussat; CARVALHO, Élcio. Estresse x qualidade de vida nas organizações: um estudo teórico. Universidade de Rio Verde – FESURV.

CARVALHO, Liliane de; MALAGRIS, Lucia Emmanoel Novaes. Avaliação do nível de stress em profissionais de saúde. Evaluation of the stress level in professional health.Estud.pesqui. psicol. v.7 n.3 Rio de Jan.eiro dez. 2007.Disponível em: < pepsic.bvsalud.org/scielo.php. Acesso em: 2 de mar.ço de 2013.

CHRISTO FOLETTI, Gustavo et al. Síndrome de burnout em acadêmicos de fisioterapia - burnoutamongphysicaltherapystudents. Fisoterapia e Pesquisa. Revista de Fisioterapia da Univerdade de São Paulo. Volume 14 – número 2. Maio-agosto 2007.

FILHO, Nelson Antonio Gragnani. Laudo técnico das condições ambientais de trabalho.LABORATÓRIO C.A.P.C. S/S LTDA.(MATRIZ). JANEIRO de 2008.

NETO, Edgar Martins. Apostila de ergonomia. Disponível em: <http://www.ergonomianotrabalho.com.br/artigos/Apostila_de_Ergonomia_2.pdf>. Acesso em: 03 de maio de 2013.

SANZOVO, C.E.; COELHO, M.E.C. Estressores e estratégias de coping em uma amostra de psicólogos clínicos. Estudos de Psicologia I Campinas I 24(2) I 227-238 I abril - junho 2007.

VALIM, P. C.; Et al. Redução de stresse pelo alongamento: a preferência musical pode influenciar? Universidade Estadual Paulista. São Paulo, Novembro 2002. Disponível em: <http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/08n2/Valim.pdf>Acesso em: 15 de fev.ereiro de 2013. 

ZUARDI, Antonio Waldo. Fisiologia do estresse e sua influência na saúde. Disponível em: < rnp.fmrp.usp.br/~psicmed/doc/Fisiologia%20do%20estresse.pdf>. Acesso em: 23 de mar.ço de 2013.

Compartilhe
Serviços Gratuitos
  • SEPSI - Serviço de Psicologia
    Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública
    Tel.: (71)3276-8259
    Av. Dom João VI, nº 275, Brotas, Salvador, Bahia CEP: 40290-000
  • NEPPSI - Núcleo De Estudos E Práticas Psicológicas
    Universidade Salvador
    Tel.: (71) 3330-4612 / 4662
    Rua Ponciano de Oliveira, 126, Rio Vermelho, Salvador, Bahia, CEP 41.950-275
  • NAPSI – Núcleo de Atendimento Psicológico
    Tel.: 3247-5020
    Rua Ademar de Barros, Nº 343 – Ed. Julio Call, S/108 - Ondina, Salvador, Bahia
 

Redes Sociais