Publicada em 19/09/2017 às 14h59. Atualizada em 20/09/2017 às 11h18

Metástase é o fim do caminho?

Qual a diferença entre doença grave e terminal?

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Muitas pessoas acreditam que o diagnóstico de metástase se confunde com sentença de morte. Porém, segundo a médica oncologista Dra. Carla Paranhos, com as diferentes terapias oferecidas, a metástase não deve mais ser considerada hoje uma sentença de morte. Saiba mais sobre doença grave e terminal e como ocorre o quadro metastático.

iSaúde Bahia - O que é metástase?

Dra. Carla Paranhos - Metástase é o termo que usamos para designar o estágio em que o câncer atinge outros locais além do sítio em que se iniciou, que chamamos de sítio primário.

iSB - Porque ela é considerada grave?

Dra. Carla Paranhos - A metástase é considerada grave porque pressupõe uma doença mais avançada e, por vezes, incurável, embora, com os avanços da oncologia hoje, o diagnóstico de metástase já não representa mais uma “sentença de morte”.

iSB - De que forma um tumor metastático pode atingir outros órgãos? 

Dra. Carla Paranhos - As células tumorais têm a capacidade de se desprender e circular pelo organismo através dos vasos sanguíneos e linfáticos, ao atingir outros órgãos podem ali se instalar e proliferar.

iSB - O que leva um organismo a entrar nesse quadro?

Dra. Carla Paranhos - Na verdade, há um conjunto de elementos a serem avaliados. Isso inclui uma análise do tipo de tumor, do grau de diferenciação das células e o estágio em que o tumor é diagnosticado. Sabemos que alguns tumores têm características de agressividade que pressupõem um maior risco a metastatizar. 

iSB - O que difere uma célula cancerígena de uma célula saudável? Por que ela causa a doença?

Dra. Carla Paranhos - De uma forma mais simples, poderíamos dizer que uma célula cancerígena é uma célula anormal e, por conta disso, tem um padrão de crescimento não adaptado ao organismo, ou seja, ela se multiplica de forma desordenada sem levar em conta o funcionamento harmônico do corpo, levando ao desequilíbrio que poderíamos chamar de doença.

iSB - Uma célula (ou conjunto de células) que originou um tumor em determinado órgão, pode sobreviver e se multiplicar em qualquer outro tecido do corpo ou isso vai depender de sua origem? (Ex. Uma célula de um tumor de mama, no caso de metástase, pode ir para o pâncreas e lá sobreviver e se multiplicar?)

Dra. Carla Paranhos - Sim. Esse é o princípio básico da metástase, uma célula anormal, migra erroneamente para outro órgão e se instala em um tecido do qual não era originária. Ali se desenvolve e acaba por causar danos no órgão atingido e, por conseguinte, no indivíduo como um todo, pois isso acarretará alteração das funções normais dos órgão. Alguns tipos de tumores têm sítios de metástases mais frequentes. 

iSB - Como é o tratamento da metástase? 

Dra. Carla Paranhos - Essa é uma pergunta cuja resposta é complexa. Não existe um tratamento padrão. Algumas variáveis serão levadas em consideração para definir o melhor tratamento. As opções incluem quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia e, em algumas situações, até cirurgia que é uma modalidade de tratamento que muitos pensam ser restrita aos casos mais iniciais.

iSB - É possível reverter esse quadro?

Dra. Carla Paranhos - Não há como dar uma resposta definitiva para essa pergunta, tudo vai depender do tipo de neoplasia maligna, do local da metástase e da resposta ao tratamento, o que podemos afirmar é que metástase hoje não é mais sinônimo de doença incurável.

iSB - Se a metástase é uma fase avançada da manifestação do câncer, ela pode ser considerada uma doença terminal?

Dra. Carla Paranhos - Não, isso é uma confusão muito frequente. Muito relacionada ao estigma em relação ao câncer muitas vezes oriundo de um passado da oncologia em que as opções de tratamento eram mais restritas e menos eficazes. Um indivíduo que apresente um câncer já com metástases pode viver bem, ser ativo e produtivo, muitas vezes com pouco ou nenhum sintoma da patologia. O diagnóstico de metástase  não representa um diagnóstico de terminalidade da vida.

"Um indivíduo que apresente um câncer já com metástases pode viver bem, ser ativo e produtivo, muitas vezes com pouco ou nenhum sintoma da patologia." 

Entendendo o Câncer

iSB - Sendo o câncer uma proliferação anormal e descontrolada de células oriundas de uma célula previamente normal, que sofreu uma ou mais mutações e que tem a capacidade de se espalhar pelo organismo – o que causa essas mutações?

Dra. Carla Paranhos - Pode-se dizer que erros no momento da replicação celular. Isso pode ocorrer espontaneamente ou ser provocado por agentes externos.

iSB - Quais são os principais fatores de risco?

Dra. Carla Paranhos - Isso depende de qual tipo de câncer estamos tratando. Os fatores de risco são específicos para cada tipo de neoplasia maligna. Alguns vírus podem ser fatores de risco, como o da hepatite C, por exemplo, que é um fator de risco para hepatocarcinoma. De uma forma mais abrangente, o que poderíamos recomendar é a manutenção de hábitos saudáveis com prática de atividade física, boa alimentação e evitar o tabagismo.

Palavras Chave:

câncer metástase oncologia
Compartilhe

Saiba Mais

     

    Redes Sociais