Publicada em 27/03/2018 às 12h21. Atualizada em 03/04/2018 às 15h43

Osteopatia: o que é, o que trata? Saiba mais!

Tratamento sem remédios ou cirurgias!

CONTEÚDO HOMOLOGADO Bahiana
Compartilhe

Conhecida como um sistema de cuidados de saúde que se baseia no diagnóstico diferencial, a osteopatia tem como foco tratar diversas disfunções sem o auxílio de fármacos ou intervenções cirúrgicas, além de também ser utilizada na prevenção de doenças. Para conhecer mais o assunto, o iSaúde conversou com a fisioterapeuta Silvana Chaves. Confira a entrevista.

iSaude – O que é e como surgiu a osteopatia?

Silvana Chaves – A Osteopatia é a ciência que procura entender o movimento sob todas as suas formas de expressão. Considerando que em qualquer doença existe um claro prejuízo da função de um órgão ou de uma estrutura, a Osteopatia busca compreender e normalizar seus movimentos, liberando qualquer tipo de restrição, seja ela articular, visceral, neural ou fascial.

iS – Quais doenças ela trata?

Silvana Chaves – Osteopatia Estrutural: alterações da coluna vertebral, como as protrusões e hérnias discais, ciáticas, torcicolos, lombalgias agudas ou crônicas, vertigens, neuralgias cervicobraquiais; atuando também nas inflamações e dores dos membros, como tendinites (LER/DORT), dor miofascial, bursites, problemas articulares gerais, como entorses e traumas, e em todas as patologias que possuem caráter musculoesquelético.

Osteopatia craniana: cefaleias e enxaquecas; distúrbios visuais e auditivos; disfunções da articulação temporomandibular (ATM); distúrbios de deglutição; alterações digestivas (pela inervação do nervo vago); alterações vestibulares; alergias; rinites e sinusites; otites; dores crônicas; torcicolo congênito em bebês etc.

Osteopatia visceral: hérnia de hiato; ptoses viscerais; asma brônquica; pneumonia; constipação intestinal e refluxo (inclusive em bebês); distúrbios hepatobiliares; alterações cardíacas; distúrbios renais; alterações do ciclo menstrual; síndrome pré-menstrual; alterações hormonais; queda da imunidade; patologias sistêmicas de origem visceral, entre outras.

iS – Poderia explicar o que é e como são realizadas a osteopatia cranial, visceral e estrutural?

Silvana Chaves – Como a osteopatia atua em diferentes tecidos corporais, foi classificado, para fins didáticos, em três grandes divisões de técnicas: a Osteopatia estrutural, a osteopatia visceral e a osteopatia craniana. 

Osteopatia estrutural, que é direcionada ao sistema musculoesquelético, onde se aplicam diferentes técnicas adaptadas a cada disfunção, a cada tecido, a cada paciente.

Osteopatia visceral é direcionada a atuar sobre os tecidos que participam nas funções das vísceras, as membranas fibrosas relacionadas, os músculos, os diferentes planos de deslizamento entre os órgãos, os vasos sanguíneos e os nervos. Todos os tecidos que asseguram o funcionamento orgânico devem estar livres em seu local anatômico. Quando não estão livres, os motivos podem ser devido a aderências e trações miofasciais que dificultam a mobilidade das vísceras. As técnicas manuais viscerais ajudam a liberar interrupções no fluxo de mobilidade, o que oferece ao organismo uma base funcional mais útil, produtiva e saudável.

Osteopatia cranial e terapia craniossacral que atuam também mediante técnicas manuais que liberam e facilitam a micromobilidade do crânio e o conjunto das relações craniossacras, através das meninges e do líquor. 

iS – Qual é a diferença entre a osteopatia e a quiropraxia?

Silvana Chaves – A quiropraxia é uma ciência médica que tem como objetivo diagnosticar, prevenir e tratar desordens do sistema neuromusculoesquelético – ou seja, dores cujas causas estão relacionadas ao sistema musculoesquelético (sobretudo à coluna vertebral). Já a Osteopatia foca no paciente como um todo, procurando identificar a origem das dores – que nem sempre são resultantes do sistema musculoesquelético, como vísceras, artérias, ligamentos, fáscia e outros – para, em seguida, indicar o melhor tratamento naquela condição específica do paciente. 

Assim como a quiropraxia, na osteopatia todo o tratamento é feito por técnicas manuais, sem o uso de medicamentos, intervenções cirúrgicas ou tratamentos agressivos ao corpo humano.

iS – Poderia dar alguns exemplos de atitudes do dia a dia que levam pessoas a sofrerem problemas que são tratados pela osteopatia?

Silvana Chaves – As atividades diárias desenvolvidas, o sedentarismo e o uso intenso de tecnologias, além de todo o stress de desenvolver várias atividades simultaneamente, sobrecarregando o corpo de forma física e emocional.

Compartilhe

Saiba Mais

     

    Redes Sociais